Uma Escola de Arte Muito Louca

Art School Confidential (2006)

Direção: Terry Zwigoff
Elenco: Max Minghella, Sophia Myles, John Malkovich, Jim Broadbent, Ethan Suplee, Kate Moennig, Anjelica Huston
Sinopse: A história do jovem Jerome que decide fazer faculdade de artes e descobre como as coisas podem ser estranhas por lá.

[Comédia]

>>> Um filme que, como a arte, funciona diferentemente dependendo de quem o assiste. Mas algumas piadas simplesmente não funcionam, e as mais engraçadas definitivamente estão no trailer. De resto o filme é engraçadinho, mas Terry Zwigoff (que veio de Ghost World e Papai Noel às Avessas) nunca mostra a que veio e acaba deixando o filme sem a personalidade necessária, sem falar no desperdício dos talentos de John Malkovich, Anjelica Huston e Jim Broadbent.

Filme: 5.5
Extras: 6.0

{Curiosidade}
– A faculdade de artes neste filme é baseada no Instituto Pratt no Brooklyn. De acordo com o roteiro publicado, as pinturas minimalistas que Jonah leva para as salas foram pintadas pelo autor Daniel Clowes quando ele estudava por lá.

Tudo que Você Sempre Quis Saber Sobre Sexo Mas Tinha Medo de Perguntar

Everthing You Always Wanted to Know About Sex* (1972)

Direção: Woody Allen
Elenco: Woody Allen, John Carradine, Lynn Redgrave, Burt Reynolds
Sinopse: Um filme que se propõe a discutir questões que as pessoas deveriam perguntar umas as outras sobre o sexo, mas todos tratam como tabu.

[Comédia]

>>> Promete ser uma comédia inteligênte e irônica que divertiria e alfinetaria os problemas da sociedade com banalidades, mas Woody Allen erra feio ao escolher fazer pequenas esquetes que não são muito engraçadas, se estendem por mais tempo que o necessário e o pior: não respondem às perguntas. Excluindo uma situação ou outra que surge ocasionalmente em algumas esquetes, o filme passa longe de ser um clássico da comédia de Allen.

Filme: 5.0
Extras:

{{Curiosidade}}
– Baseado no livro de David Reuben.
– O ator Elliot Gould e o produtor Jack Brodsky detinham o direito sobre o livro, mas venderam para a United Artists porque acharam que o texto era difícil demais de se filmar.
– Todos os segmentos se iniciam com perguntas.

*But Were Afraid to Ask

Os Donos da Noite

We Own the Night (2007)

Direção: James Gray

Elenco: Joaquin Phoenix, Eva Mendes, Mark Wahlberg, Robert Duvall

Sinopse: A história de dois irmãos: Bobby é um dono de boate e Joseph se tornou capitão da polícia recentemente. Joseph precisa da ajuda de Bobby para desbaratear uma quadrilha de traficantes, mas Bobby não quer fazer o ‘dedo-duro’ e perder frequentadores da boate.

[Ação]

>>> O filme ajuda a evidenciar o potencial recém-encontrado de Eva Mendes de ser atriz, tem bom roteiro, boas atuações e diverte bastante. O problema é que um pouco depois da metade o diretor James Gray parece perder um pouco o controle, principalmente depois de uma cena de perseguição na chuva particularmente mal-dirigida (edição de som manda lembranças). A partir dali o interesse do espectador cai um pouco e isso até colabora porque também diminui a decepção pela história não terminar tão interessante como começou.

Filme: 7.5

Extras:

{{Curiosidades}}

– James Gray se recusou a gravar o filme em Toronto, onde seria mais barato. Essa é uma das razões por que o filme demorou tanto tempo para ficar pronto.

– De acordo com uma entrevista de Mark Wahlberg, Joaquin Phoenix entrava na personagem fazendo insultos a Robert Duvall entre takes. Isso deixava Duvall muito irritado e Wahlberg teve que contê-lo.

C.R.A.Z.Y. – Loucos de Amor

C.R.A.Z.Y. (2005)

Direção: Jean-Marc Valée
Elenco: Michel Côté, Marc-André Grondin, Dannielle Prouxl, Émile Vallée
Sinopse: Um garoto numa família desajustada e com quatro irmãos tem de lidar com suas tendências homossexuais sozinho logo na infância.

[Drama]

>>> Começa de forma original e icônica, com aquele “quê” de filme independente. Contudo, o diretor parece se intimidar ao tratar da homossexualidade da adolescência e acaba deixando tudo muito sugerido, mais do que deveria, nunca mostrando de verdade uma cena de beijo ou de aceitação do personagem principal. Além do mais, fica logo claro que as iniciais dos garotos (Christian, Raymond, Antoine, Zachary e Yvan) formando o nome C.R.A.Z.Y. surgiram só para dar um ar cult ao longa, já que apesar de sugerir um filme sobre todos o foco é apenas em um deles e isso acaba afetando a dinâmica durante grande parte da projeção.

Filme: 6.5
Extras:

{{Curiosidades}}
– Jean-Marc Valée levou 10 anos para escrever o filme.
– Baseado nas memórias do co-escritor François Boulay

Garçonete


Waitress (2007)

Direção: Adriene Shelly

Elenco: Keri Russell, Nathan Fillion, Cheryl Hines, Jermy Sisto
Sinopse: A história de uma garçonete que tem um talento único para criar tortas, mas vive infeliz com o marido até o momento em que descobre estar grávida e começa a repensar sua vida.

[Comédia/Drama]

>>> Não se engane com a capa, que sugere uma história descontraída e água-com-açúcar. No entanto, a diretora Adrienne Shelly entrega um filme escuro e intimista com muitas cenas tensas e também com alguns toques de originalidade e narração simpática. Não que isso não seja bom, um roteiro com boas idéias é sempre bem-vindo, mas a surpresa de que o filme definitivamente não é uma comédia romântica inofensiva incomoda um pouco no início.

Filme: 7.5
Extras: 7.0

{{Curiosidades}}
– O último filme de Adrienne Shelly.
– A atriz/diretora/escritora escreveu o filme enquanto grávida de sua filha, Sophie.
– Gravado em 20 dias.
– A ideia do encontro de cinco minutos que a personagem Dawn teve foi inspirada pelas experiência que a própria diretora teve com eles anos antes.

Sobre Café e Cigarros

Coffee and Cigarettes (2003)

Direção: Jim Jarmusch

Elenco: Roberto Benigni, Steve Buscemi, Iggy Pop, Tom Waits, Cate Blanchett, Jack White, Meg White, Alfred Molina, Steve Coogan, RZA, Bill Murray, Steven Wright

Sinopse: Um filme dividido em vários segmentos onde diversos personagens conversam tomando café e fumando cigarros.

[Comédia]

>>> No começo o espectador não está muito preparado para o formato do filme e nem para os diálogos despretenciosos, então é possível que um segmento se passe sem que se perceba onde o longa quer chegar. Mas, uma vez que decola, diverte pelas conversas inusitadas e situações promissoras, e oscila entre as esquetes ruins (segmento “Estranho Conhecê-lo”), cult (da mulher que não quer um refil), irônicas (Alfred Molina pedindo emprego a Steve Coogan), divertidas (Bill Murray com RZA e GZA), nonsense (“Jack Mostra a Meg o Tesla Coil”) e estranhas (“Sem Problemas”), mas, no fim tudo funciona junto e  a curta duração das esquetes fazem o filme passar voando. O destaque vai, é claro, para o segmento “Primas”, onde Cate Blanchett contracena com… ela mesma! Demais, demais.

Filme: 8.0

Extras: Não Há

{{Curiosidades}}

– Este filme foi feito ao longo de 17 anos. A cena de Roberto Benigni e Steven Wright foi gravada em 1987. O segmento de Tom Waits e Iggy Pop foi gravado em 1992.

– RZA e GZA são muito preocupados com a saúde, então eles bebem chá ao invés de café no filme.

– Jim Jarmusch geralmente não precisava de mais de dois ou três takes para cada cena do filme, onde os atores improvisavam parte das conversas.

– O segmento com Cate Blanchett foi gravado em dois dias. Em cada dia ela fez uma personagem.

Ao Vivo!

Live! (2007)

Direção: Bill Guttentag
Elenco: Eva Mendes, Jay Hernandez, Missy Pyle, David Krumholtz
Sinopse: Um falso documentário que acompanha os esforços de uma produtora de TV  para que um programa onde uma pessoa morre de verdade seja colocado em sua grade de programação.

[Drama/Suspense]

>>> Verossímil, principalmente do estilo documental em que foi filmado, prende a atenção pela temática muitíssimo incomum e sem dúvida interessante. A proposta inicial do filme não é colocar como principal atração o cara que vai morrer, e sim as discussões e questionamentos sobre até onde as pessoas vão em busca de entretenimento (?) e o vigor da produtora fanática. E isso Eva Mendes faz bem. Apesar de rodeada de interpretações medianas, ela vai além do roteiro e cria uma personagem bastante memorável, e isso surpreende porque geralmente a mediana dos filmes é ela. Infelizmente, ao se aproximar da conclusão o longa cai em sua própria armadilha e faz tudo girar em torno do programa propriamente dito. Toda e qualquer discussão relevante sobre entretenimento é deixada de lado e o filme vai perdendo sua qualidade, por mais que o suspense que cerca a exibição do programa seja contagiante e bem trabalhado.

Filme: 7.0
Extras: 1.0

A Lenda de Beowulf

Beowulf (2007)

Direção: Robert Zameckis
Elenco: Ray Winstone, Robin Wright Penn, Anthony Hopkins, John Malkovich, Angelina Jolie, Brendan Gleeson
Sinopse: A história de um guerreiro que promete matar um monstro que assombra uma vila em busca de glória, comida e mulheres.

[Aventura/Animação]

>>> A animação quase impecável usada com captura de performance é usada com maestria para entregar um filme… ridículo. A batalha onde Beowulf luta peladão é vergonhosa, porque a atenção do diretor é desviada da ação para colocar névoa, pessoas e objetos que cubram as “partes” do guerreiro. Francamente! Custava colocar uma cueca em Ray Winstone e poupar o absurdo? Como se não fosse o bastante, a trama não envolve e carrega clichês do gênero, além de aproveitar muito mal os personagens e atores que tem. A proposta de se fazer uma animação mais ousada e séria (?) acabou saindo pela culatra.

Filme: 5.0
Extras: 5.5

{{Curiosidades}}
– A modelo Rachel Bernstein foi a dublê de corpo das cenas de nudez de Angelina Jolie.
– É o primeiro filme de Crispin Glover com Robert Zemeckis desde De Volta Para o Futuro (1985)

Eu e as Mulheres

In the Land of Women (2007)

Direção: Jon Kasdan

Elenco: Adam Brody, Meg Ryan, Kristen Stewart, JoBeth Williams

Sinopse: Um jovem escritor de contos eróticos sofre um bloqueio criativo após um doloroso término de relacionamento e decide ir para  uma cidade mais calma para cuidar da avó e tentar se inspirar, até conhecer uma vizinha com quem tem conversas muito interessantes.

[Comédia Romântica/Drama]

>>> Para os que conhecem Adam Brody, a surpresa encanta quando ele não entrega uma performance 100% igual a de Seth Cohen (The O.C.), e, ao contrário de muitos filmes do gênero, a história dá tempo a si mesma para envolver mais o espectador e o primeiro beijo leva muito tempo para acontecer, além de não ser como o clichê dita e o espectador espera. O filme é sincero e divertido, mas o destaque vai mesmo é para Meg Ryan, que emana inspiração e comove sem muito esforço.

Filme: 8.5

Extras: 6.5

O Vidente

"Tom Hanks está atrasado pra nossa reunião de mullets."

"Tom Hanks está atrasado pra nossa reunião de mullets."

Next (2007)

Direção: Lee Tamahori
Elenco: Nicolas Cage, Julianne Moore, Jessica Biel, Thomas Kretschmann
Sinopse: Um cara que pode ver três minutos no futuro(?) precisa se desdobrar para salvar a vida de uma mulher que ele ainda nem conhece.

[Ação/Ficção]

>>> Antes de tudo, é bom lembrar que alguém em Hollywood achou a idéia de um cara que vê três minutos no futuro “sensacional” e um outro alguém acreditou que seria mais legal ainda se fosse com Nicolas Cage. E lá vem ele de novo surpreender o espectador (que achava que ele já tinha batido no fundo do poço com O Motoqueiro Fantasma) nesse filme onde os buracos no roteiro progridem num crescendo assustador, pois o espectador jamais espera que a falta de habilidade com um roteiro na mão possa levar a resultados tão catastróficos. Mas se a jogada foi um truque para, no fim do filme, ninguém se lembrar nem por que começou todo aquele barulho, funcionou. Porque depois da “reviravolta” no final, que gera um buraco-mor no roteiro e trata o espectador como ameba, não vale a pena nem se lembrar de por que se alugou a esse filme. E Julianne Moore, coitada, parece que jamais vai colocar outro filme bom em seu currículo.

Filme: 2.0
Extras: Jamais Avaliados

{{Curiosidade/Erro}}
– A tradução na Rússia fez o filme se chamar “O Profeta.”
– Os terroristas se comunicam em francês e falam inglês com sotaque francês. Mas quando o atirador erra o alvo, eles xingam em sérvio.

« Older entries Newer entries »