Ao Vivo!

Live! (2007)

Direção: Bill Guttentag
Elenco: Eva Mendes, Jay Hernandez, Missy Pyle, David Krumholtz
Sinopse: Um falso documentário que acompanha os esforços de uma produtora de TV  para que um programa onde uma pessoa morre de verdade seja colocado em sua grade de programação.

[Drama/Suspense]

>>> Verossímil, principalmente do estilo documental em que foi filmado, prende a atenção pela temática muitíssimo incomum e sem dúvida interessante. A proposta inicial do filme não é colocar como principal atração o cara que vai morrer, e sim as discussões e questionamentos sobre até onde as pessoas vão em busca de entretenimento (?) e o vigor da produtora fanática. E isso Eva Mendes faz bem. Apesar de rodeada de interpretações medianas, ela vai além do roteiro e cria uma personagem bastante memorável, e isso surpreende porque geralmente a mediana dos filmes é ela. Infelizmente, ao se aproximar da conclusão o longa cai em sua própria armadilha e faz tudo girar em torno do programa propriamente dito. Toda e qualquer discussão relevante sobre entretenimento é deixada de lado e o filme vai perdendo sua qualidade, por mais que o suspense que cerca a exibição do programa seja contagiante e bem trabalhado.

Filme: 7.0
Extras: 1.0

Anúncios

‘Tá Dando Onda

"Pinguim que sapateia é tudo boiola."

"Pinguim que sapateia é tudo boiola."

Surf’s Up (2007)

Direção: Ash Brannon, Chris Buck
Vozes de: Shia LaBeouf, Jeff Bridges, Zooey Deschannel, Jon Heder, James Woods, Kelly Slater
Sinopse: Um “documentário” que acompanha o sonho de um jovem pinguim de ser o melhor surfista do mundo como tinha sido seu falecido ídolo.

[Animação/Fakumentary/Comédia]

>>> A idéia originalíssima de fazer uma animação em estilo documental com direito a handycam, entrevistas e legendas que identificam quem fala e tudo funciona, mas os diretores falham em deixar o formato do filme como carro-chefe. O longa acaba tendo uma história bem mediana onde muitas piadas não funcionam e os personagens são bastante rasos. Pode até ser um pouco demais se exigir isso de um filme infantil, mas em tempos de Os Incríveis e Shrek e o nível de seus roteiros, este fica abaixo da média e muito atrás em conceito.

Filme: 7.0
Extras: 7.0 – Os chubb-chubbs são criaturas bastante retardadinhas, mas fazem parte do vasto material fornecido pelo disco.

{{Curiosidades}}
– Todos os atores gravaram suas vozes juntos na mesma sala, o que é extremamente incomum para um filme de animação.
– SPEN (“Sports Penguin Entertainment Network”) é uma paródia do canal de esportes ESPN.
– Surfistas famosos de verdade são mostrados no decorrer do filme como parte do Desafio Pen Gu. Eles são Renato Mendes (Brasil), Rory Nubbins (Australia), and Tatsuhi Kobayashi (Japão)

Encantada

"Eu queria uma paródia mais Sex and the City."

"Eu queria uma paródia mais Sex and the City."

Enchanted (2007)

Direção: Kevin Lima
Elenco: Amy Adams, Patrick Dempsey, James Marsden, Susan Sarandon
Sinopse: Uma linda princesa é banida do mundo dos contos de fadas por uma bruxa malvada e é deixada em plena Times Square para enfrentar o mundo real.

[Musical/Comédia]

>>> Amy Adams é, com o perdão do trocadilho, encantadora: ela é mesmo a versão de carne e osso perfeita para os desenhos de princesas, e as situações inusitadas pelas quais ela passa no mundo real divertem. Só faltou mais desconforto por parte dos nova iorquinos nas partes em que se decide cantar. No início tudo até gera uns olhares de reprovação, mas no fim todo mundo acaba dançando e cantando junto. Isso e mais o final exagerado (onde Susan Sarandon vira um dragão – e não, não vou fazer essa piada) deixam o sorriso do espectador meio amarelo, mas dá pra se divertir.

Filme: 7.0
Extras: 7.0

{{Curiosidades}}
– Na cena em que Edward sobe no ônibus, as pessoas apontando e rindo não são figurantes, e sim turistas assistindo a gravação.
– Quando o troll é jogado da árvore em que Giselle cai, pode-se ouvir o grito característico do Pateta.
– Giselle seria loira, mas ficou decidido que ruiva funcionava melhor.

O Hospedeiro

"Vou capturar esse e ser um mestre Pokémon."

"Vou capturar esse e ser um mestre Pokémon."

Gwoemul (2006)

Direção: Bong Joon-Ho
Elenco: Kang-ho Song, Hie-bong Byeon, Hae-il Park Du-na Bae Ah-sung Ko
Sinopse: Cientistas jogam lixo tóxico direto no Rio Han, na Coréia do Sul, e vários anos depois uma criatura monstruosa geneticamente modificada volta pra mostrar o tamanho do erro que cometeram.

[Ficção/Terror]

>>> Tem uma instrodução crítica interessante, assim como boa parte do resto do filme, que também usa de humor para aliviar um pouco o espectador de vez em quando. Não que precise: o longa tem uma classificação baixa, então não é como se sangue ficasse espirrando na tela o tempo todo. O que mais chama a atenção, no entanto, é que o filme não trata do monstro em si e sim da família que tem de colocar certas diferenças de lado para tentar encontrar a caçula desaparecida. Contudo, a falta de crueldade do monstro que toca terror por onde passa deixa o longa bem menos verossímil.

Filme: 7.0
Extras: 2.0

{{Curiosidade}}
– Até Março de 2009, o filme que mais atraiu público na Coréia do Sul. 20% do país assistiu.

Mandando Bala

É isso mesmo que você está vendo.

É isso mesmo que você está vendo.

Shoot ‘em Up (2007)

Direção: Michael Davis
Elenco: Clive Owen, Monica Belucci, Paul Giamatti
Sinopse: Um cara que adora comer cenoura decide salvar uma mulher grávida de assaltantes e quando ela morre, ele tem que tomar conta do bebê.

[Ação/Trash]

>>> Se você acha que vai encontrar na trama um motivo razoável para encontrar um trio de nomes de peso nesse filme, está enganado. O fime é trash básico e escapista, com direito a corte de cordão umbilical a tiros e assassinatos com cenouras (?!). O roteiro tem mais buracos que Serpentes a Bordo e obriga o espectador a abandonar a lógica se quiser se divertir. 

Filme: 7.0
Extras: 7.0

{{Curiosidades}}
– 15 galões de sangue falso foram usados.
– 106 mortes no filme.
– Mr. Smith usa 18 armas.
– Clive Owen e Paul Giamatti foram indicados ao Oscar (não por esse filme!)
– Em Filhos da Esperança (2006), Clive Owen também faz o parto de um bebê em circunstâncias estranhas.

Valente

"Vou pra Sydney e a gente vai ficar junto logo, logo."

"Vou pra Sydney e a gente vai ficar junto logo, logo."

 The Brave One (2007)

Direção: Neil Jordan
Elenco: Jodie Foster, Terrence Howard, Naveen Andrews, Mary Steenburgen
Sinopse: Uma locutora de rádio e seu marido são espancados na rua. O marido morre e ela fica em coma. Quando acorda, ela passa a temer as ruas e decide carregar uma arma consigo.

[Drama/Suspense]

>>> Uma espécie de “filme de super-herói” cru e com uma mulher protagonista.  As situações pelas quais ela passa não são memoráveis e têm falhas, mas o mais interessante é acompanhar os conflitos internos da personagem tanto ao disparar sua arma quanto ao checar em que pé está a investigação policial e até mesmo enquanto apresenta seu programa de rádio. Esses momentos valem muito a pena e são vividos com maestria por Jodie Foster.

Filme: 7.0
Extras: Não Avaliados

{{Curiosidades}}
– As cópias enviadas para os cinemas foram sob o nome falso de “Doce Vingança”
– Contagem de Corpos: 9

O Reino dos Gatos

nekonoongaeshi

Neko no Ongaeshi (2002)

Direção: Hiroyuki Morita
Vozes de: Chizuru Ikewaki, Yoshihiko Hakamada, Aki Maeda, Takayuki Yamada, Hitomi Sato
Sinopse: Ao salvar um gato de ser atropelado por um caminhão, uma menina se surpreende não só per ver o gato agradecê-la mas por chamá-la para visitar seu reino e casar-se com ele.

[Animação/Aventura]

>>> Com a criatividade característica das animações japonesas, o filme diverte e conquista o espectador em pouco tempo. Contudo, o roteiro não ousa muito e fica 100% preso à sinopse, deixando o “longa” (o filme tem 80 minutos) sem surpresas e sem muitos atrativos exceto o que é apresentado no título.

Filme: 7.0
Extras:

{{Curiosidades}}
– Levou três anos para ser feito.
– O filme começou quando o Studio Ghibli recebeu uma proposta de um parque de diversões japonês para fazer um curta de vinte minutos com gatos estrelando.

Bon Cop, Bad Cop

bon-cop-bad-cop

Bon Cop Bad Cop (2006)

Direção: Erik Canuel
Elenco: Patrick Huard, Colm Feore, Sarain Boylan, Erik Knudsen
Sinopse: Um serial killer deixa uma de suas vítimas atravessada numa placa que marca a divisa de Quebéc com Ontario e a polícia canadense começa a investigá-lo, mas não antes de decidir sob a jurisdição de quem está o corpo.

[Ação/Comédia]

>>> Despreocupado em inovar, o longa está longe de ter cenas de ação memoráveis e eletrizantes. Contudo, a trama é redonda e a excelente química entre os dois atores principais gera bons diálogos e momentos divertidíssimos, dinos da franquia “Máquina Mortífera”. É puro entretenimento que sai da memória fácil, fácil, e depois o espectador só vai se lembrar dos créditos finais que rolam de cima para baixo.

Filme: 7.0
Extras:

{{Curiosidade}}
– Os policiais LaBoeuf e McDuff são sátiras dos atores Shia LaBeouf e Hilary Duff, por suas qualidades opostas.

Mergulho Radical

into_the_blue

Into the Blue (2005)

Direção: John Stockwell
Elenco: Paul Walker, Jessica Alba, Scott Caan, Ashley Scott, Josh Brolin
Sinopse: Um quarteto de mrgulhadores enfrenta sérios problemas quando encontram um avião carregado de heroína no fundo o oceano.

[Aventura]

>>> O casal Paul Walker e Jessica Alba é uma decepção por terem pouca química e atuações muito ruins. Paul Walker tenta fazer seu personagem de forma natural mas não consegue, coitado. Jessica Alba consegue fazer sua atuação ficar ainda pior quando sabe que sua fala é uma fala importante. Afora isso, as cenas de ação envolvendo perseguição, tiros e água conseguem atrair a atenção do espectador, e o apelo a cenas com um conteúdo gráfico um pouco mais explícito (sangue e machucados), também. Somando a isso o desfile ininterrupto de corpos sarados e tem-se um filme-pipoca sob medida, e até dá pra esquecer o problema das atuações no fim.

Filme: 7.0
Extras:

{{Curiosidades}}
– Devido às condutas morais dos Estados Unidos, a Sony Pictures alterou digitalmente o trailer de cinema para fazer o biquini de Jessica Alba “menos revelador”.
– De acordo com o diretor John Stockwell, muitas das cenas foram editadas ou modificadas digitalmente para garantir uma classificação 14 anos.

Água Negra

dark-water1

Dark Water (2005)

Direção: Walter Salles
Elenco: Jennifer Connelly, John C. Reilly, Tim Roth, Dougray Scott
Sinopse: Uma mulher separada do marido se muda com a filha para um apartamento que tem um sério problema de infiltração.

[Drama/Terror]

>>> Um filme que definitivamente funciona melhor agora que acabou a febre de horrores japoneses (nos dois sentidos) e que pode ser analisado com mais eficácia. O clima, por exemplo, é perfeito e as atuações nunca deixam a desejar. Combinados, os dois ajudam muito na hora de conduzir o espectador sem deixá-lo entediado. O filme também é um excelente drama que explora muito bem o lado psicológico da personagem principal, usando a goteira no teto como símbolo de suas preocupações. O único problema é quando os demônios interiores começam a tomar forma e o filme volta a ser só mais um terror japonês esquecido na prateleira da locadora.

Filme: 7.0
Extras: 8.5 – Uma cobertura completa da produção do longa mostrando muitos segredos de produção, e que o real de fato funciona muito melhor que o CGI, e a melhor parte: um segmento onde o espectador pode conferir uma cena com todos os elementos que a fazem funcionar isoladamente – voz, efeitos sonoros, trilha sonora, corte bruto, etc.

{{Curiosidade}}
– As batidas cardíacas ouvidas durante as enxaquecas de Dahlia são de uma ultrasonografia da esposa de Daniel Rezende, que ficou gráfica no início da gravação.

« Older entries