O Vidente

"Tom Hanks está atrasado pra nossa reunião de mullets."

"Tom Hanks está atrasado pra nossa reunião de mullets."

Next (2007)

Direção: Lee Tamahori
Elenco: Nicolas Cage, Julianne Moore, Jessica Biel, Thomas Kretschmann
Sinopse: Um cara que pode ver três minutos no futuro(?) precisa se desdobrar para salvar a vida de uma mulher que ele ainda nem conhece.

[Ação/Ficção]

>>> Antes de tudo, é bom lembrar que alguém em Hollywood achou a idéia de um cara que vê três minutos no futuro “sensacional” e um outro alguém acreditou que seria mais legal ainda se fosse com Nicolas Cage. E lá vem ele de novo surpreender o espectador (que achava que ele já tinha batido no fundo do poço com O Motoqueiro Fantasma) nesse filme onde os buracos no roteiro progridem num crescendo assustador, pois o espectador jamais espera que a falta de habilidade com um roteiro na mão possa levar a resultados tão catastróficos. Mas se a jogada foi um truque para, no fim do filme, ninguém se lembrar nem por que começou todo aquele barulho, funcionou. Porque depois da “reviravolta” no final, que gera um buraco-mor no roteiro e trata o espectador como ameba, não vale a pena nem se lembrar de por que se alugou a esse filme. E Julianne Moore, coitada, parece que jamais vai colocar outro filme bom em seu currículo.

Filme: 2.0
Extras: Jamais Avaliados

{{Curiosidade/Erro}}
– A tradução na Rússia fez o filme se chamar “O Profeta.”
– Os terroristas se comunicam em francês e falam inglês com sotaque francês. Mas quando o atirador erra o alvo, eles xingam em sérvio.

Anúncios

Rise – A Ressurreição

rise_011

Rise (2007)
Direção: Sebastian Gutierrez
Elenco: Lucy Liu, Robert Forster, Michael Chicklis, Carla Gugino
Sinopse: Uma jornalista é assassinada por membros de uma seita que investigava e acorda no necrotério com sede de sangue. Literalmente.

[Suspense/Ficção]

>>> Como se não bastasse a premissa ridícula que vai (se é que é possível) piorando à medida que o filme acontece, a história é contada fora de ordem numa pífia tentativa de roteiro não-linear e o espectador, que não quer prestar a mínima atenção, não entende aonde o diretor quer chegar. Felizmente, ele também não sabe, e nos entrega um filme de desnecessárias duas horas e ainda faz o público presenciar um verdadeiro “duelo” de atuações: Lucy Liu sofrível versus Carla Gugino canastra. Importa quem vence?

Filme: 2.0
Extras:

{{Curiosidade}}
 – A palavra “vampiro” nunca é falada no filme todo. – Para não ofender o gênero, talvez.

O Retorno dos Malditos

The Hills Have Eyes 2 (2007)
Direção:
Martin Weisz
Elenco: Cécile Breccia, Michael Bailey Smith, Archie Kao, Jeff Kober
Sinopse: Soldados são enviados ao misterioso Setor 16 para investigar o que pode ter acontecido com uma família de viajantes dois anos antes.

[Suspense/Terror]

>>> Horrível. Falta uma boa fotografia, personagens bem construídos e também não há nenhuma preocupação com a história por trás das atitudes dos “monstros.” O início sugere que pelo menos seria um filme com cenas difíceis de se assistir, mas também não é assim: a câmera corta as mortes mais brutais. A única coisa que lembra o primeiro filme é o final que, por melhor que seja, não é novidade nenhuma, apenas uma repetição da conclusão do original.

Filme: 2.0
Extras:

{{Curiosidade}}
– Michael Bailey Smith, que interpretou Papa Hades, também interpretou Plutão no primeiro filme. Plutão é o nome romano para o deus grego Hades.

O Número 23

The Number 23 (2007)
Direção: Joel Schumacher
Com: Jim Carrey, Virginia Madsen, Logan Lerman, Michelle Arthur, Danny Huston
Sinopse: Um homem ganha um livro de presente e sua identificação com o personagem principal acaba o levando a uma obsessão pelo número vinte e três.

[Suspense]

>>> Como o filme mesmo coloca a certa altura, a obsessão é infundada uma vez que o uso de qualquer outro número resultaria na mesma paranóia. O problema é que o roteirista Fernley Phillips se esquece disso e, juntamente com o diretor Joel Schumacher, espalha números 23 por todo o canto do filme, mas sem muita criatividade, o que faz o longa se tornar cansativo, monótono e muito repetitivo. E ter Jim Carrey com sua performance irritantemente canastra não ajuda nada nessa história que tem crateras no roteiro que só servem para conduzir a um horrível final.

Filme: 2.3
Extras: 3.2

{{Curiosidade}}
– Este é o 23º projeto que Joel Schumacher dirigiu.