Bee Movie – A História de Uma Abelha

Bee Movie (2007)

Direção: Steve Hickner, Simon J. Smith
Vozes de: Jerry Seinfeld, Renée Zellwegger, Matthew Broderick, Chris Rock, Kathy Bates, Ray Liotta, Sting, Oprah Winfrey, Megan Mullally
Sinopse: Uma abelha que não sabe muito bem o que fazer da vida decide dar uma volta fora da colmeia, faz amizade com uma mulher e descobre, para o seu horror, que o mel que tanto sofre pra produzir é usado diariamente pelos humanos.

[Comédia/Animação]

>>> Mais inteligente do que muitas outras animações espalhadas por aí, Bee Movie parece mostrar que a DreamWorks finalmente cansou de comer poeira da Pixar e pretente começar a entregar filmes bons em todos os sentidos para todas as idades. Ótimo, porque quem sai lucrando é o espectador. O humor é ágil, surpreendentemente inteligente, e, por vezes, inusitado fazendo várias brincadeiras e referências explícitas à cultura pop que colocam o longa lado a lado com Rattatouille no posto de melhores animações de 2007.

Filme: 9.0
Extras: Não Avaliados

{{Curiosidades}}
– Os dois primeiros trailers do filme mostravam Jerry Seinfeld tentando fazer uma versão live-action de Bee Movie, e Steven Spielberg, observando os desastrosos resultados, diz: “Por que você não transforma num desenho?”
– Jerry Seinfeld sugeriu a ideia para Steven Spielberg fazendo piada, mas ele adorou a ideia.

O Preço da Coragem

A Mighty Heart (2007)

Direção: Michael Winterbottom
Elenco: Angelina Jolie, Dan Futterman, Archie Panjabi, Mohammed Afzal
Sinopse: Uma mulher grávida passa por maus bocados ao descobrir que seu marido jornalista foi sequestrado por um grupo terrorista enquanto fazia uma matéria no Paquistão.

[Drama]

>>> Excelente. Winterbottom mostra uma habilidade única com a câmera de mão. As cenas não se concluem, mas são montadas de tal forma e com um ritmo tão envolvente que o espectador facilmente capta o que pode ter acontecido entre um corte e outro. E ainda tem Angelina Jolie maravilhosa como a mulher que quer entrar em desespero mas ao mesmo tempo tem de manter o controle e a saúde do filho na barriga até que o pesadelo termine.

Filme: 8.0
Extras: 7.0 – Uma visão mais detalhada da história e relatos de perseguição a jornalistas ajudam muito na apreciação do longa.

{{Curiosidades}}
– Baseado no livro de Marianne Pearl.
– Originalmente financiado pela Warner, mas depois que a empresa largou o projeto, Paramount Vantage assumiu.
– Brad Pitt se inspirou a gravar a história de Marianne Pearl quando viu sua entrevista na CNN enquanto a busca pelo marido ainda acontecia.

Super-Herói: O Filme

Superhero Movie (2008)

Direção: Craig Mazin
Elenco: Drake Bell, Sara Paxton, Leslie Nielsen, Tracy Morgan, Robert Hays
Sinopse: Um garoto é picado por uma libélula e adquire superpoderes, e decide usá-los para salvar o mundo.

[Comédia]

>>> Já começa mal porque promete ser uma sátira aos filmes de super heróis mas o roteiro é uma cópia exata do primeiro Homem-Aranha. Fica claro que falta inteligência para interligar as tramas dos diversos filmes, coisa que para o bem ou para o mal pelo menos era bem-feita na série Todo Mundo em Pânico. No começo é até possível dar umas risadas com comédia batida, mas a graça vai ficando cada vez mais escassa até que o clímax ridículo surge para tirar qualquer sorriso da cara de qualquer espectador de vez.

Filme: 3.5
Extras:

{{Curiosidades}}
– Não foi exibido para a crítica internacional (isso já diz muito sobre o filme).
– Leslie Nielsen e Robert Hays não trabalhavam juntos desde “Apertem os Cintos – O Piloto Sumiu! (Airplane!, 1980)

Piaf – Um Hino ao Amor

La Môme (2007)

Direção: Olivier Dahan
Elenco: Marion Cotillard, Emmanuelle Seigner, Gerard Depardieu, Sylvie Testud
Sinopse: O filme acompanha a história da vida de Edith Piaf, uma francesa que usava os palcos para cantar e dar voz aos sentimentos e emoções por que passava.

[Drama/Musical]

>>> É meio frustrante, pois faz o espectador acreditar que o filme se focará nos palcos e a forma emocionante com que Piaf cantava, mas não é bem assim. Na verdade, os trechos musicais são poucos e curtos, se comparados com a duração do filme e também com o tempo que se perde seguindo fórmulas de dramas biográficos. Para aqueles que só querem conferir a brilhante interpretação de Marion Cotillard o filme é um prato cheio, mas os que esperam se emocionar e chorar aos baldes com as canções de Piaf vão se decepcionar.

Filme: 6.0
Extras: Não Avaliados

{{Curiosidades}}
– Para ajudar no papel, Marion Cotillard raspou parte do cabelo e sobrancelhas, que depois foram desenhadas para lembrar melhor a cantora.
– O diretor escreveu o filme com Marion Cotillard em mente.
– Marion Cotillard é uma de cinco atores que ganharam um Oscar por um papel falado majoritariamente em outra língua que não inglês. Os outros são Sophia Loren, Robert DeNiro, Benicio Del Toro e Roberto Benigni.

Sem Reservas

No Reservations (2007)

Direção: Scott Hicks
Elenco: Catherine Zeta Jones, Aaron Eckhart, Abigail Breslin, Patricia Clarkson
Sinopse: Uma chef de nome renomado tem de aprender a lidar com vida e trabalho depois da irmã morrer num acidente e a sobrinha ir morar com ela, e um nov0 chef ousado é contratado pra trabalhar com ela.

[Comédia Romântica]

>>> O elenco tem boa química, Zeta Jones e Eckhart principalmente, mas ter Scott Hicks na cadeira de diretor e ninguém seria a mesma coisa. Ele vacila feio em deixar Abigail Breslin se comportar como adulta o tempo todo e ainda deixa a brilhante Patricia Clarkson passar despercebida. Isso sem falar nas excessivas montagens que servem para mostrar passagem de tempo/interação de personagens que muitas vezes não servem pra droga nenhuma. O filme tinha tudo para sair do lugar-comum das comédias românticas mas a falta de personalidade acaba o comprometendo.

Filme: 6.5
Extras: 3.0

{Curiosidade}
– Catherine Zeta-Jones trabalhou como garçonete em New York em preparação para o papel. Quando os clientes diziam como ela se parecia com Catherine Zeta-Jones ela respondia: “Ouço isso o tempo todo.”

Medo da Verdade

Gone Baby Gone (2007)

Direção: Ben Affleck
Elenco: Casey Affleck, Morgan Freeman, Amy Ryan, Michelle Monaghan, Ed Harris
Sinopse: Um casal de investigadores é contratado para, junto com a polícia, apurar o caso do desaparecimento da filha de uma mãe reclusa.

[Drama/Suspense]

>>> O primeiro filme do Ben Affleck diretor deixa transparecer um pouco de falta de habilidade e uns errinhos em certos takes, mas é preciso admitir: ele faz um trabalho bem acabado e os erros são fáceis de serem ignorados, evidenciando que ele tem potencial para ser um diretor bem melhor que o ator medíocre que é. Casey Affleck, Amy Ryan e Morgan Freeman, é claro, têm sua parcela de “culpa” por o filme se revelar uma história envolvente e ótima, com um roteiro muito bem escrito e consistente até no final que, apesar de deixar um pouco a desejar, é bastante real (e cruel).

Filme: 8.5
Extras: 7.0

{Curiosidades}
– Ben Affleck na verdade já dirigira outros dois filmes antes desse, mas nenhum deles foi lançado no cinema ou em grandes circuitos de dvd.
– Gone Baby Gone é o livro favorito de Ben Affleck.
– A maquiagem e sotaque de Amy Ryan foram tão convincentes que os seguranças do set não a deixaram entrar pensando que era uma fã local.
– De novo, o sotaque de Boston de Amy Ryan foi tão convincente que, em seu teste, Ben Affleck perguntou de que parte de Boston ela era.
– A ideia original de Ben Affleck era de estrelar o filme (ainda bem que mudou de ideia!).

Os Indomáveis

3:10 to Yuma (2007)

Direção: James Mangold
Elenco: Christian Bale, Russel Crowe, Ben Foster, Dallas Roberts
Sinopse: Quando Ben Wade, o líder de uma gangue de saqueadores é finalmente capturado, a polícia precisa encontrar homens valentes o suficiente para atravessar a cidade com o prisioneiro e colocá-lo no trem das 3:10 que vai levá-lo para a prisão de Yuma.

[Ação/Western]

>>> Um filme que estimula a adrenalina até o limite de onde um filme de velho-oeste pode chegar. A ação convence e entretém e, convenhamos, ter Russel Crowe no elenco nunca é demais. É interessante ver como a reviravolta no final vai se formando ao longo do filme e concluir que não, o diretor James Mangold não conseguiu ressucitar de vez o gênero, mas provou que um faroeste aqui e ali de vez em quando feito por gente competente que respeita o público não faz mal a ninguém.

Filme: 8.5
Extras: Não Avaliados.

{Curiosidades}
– A escolha de Christian Bale co-estrelar foi unânime.
– Baseado num conto publicado num jornal de 1953.
– Exatos 10 minutos se passam no filme entre o relógio apontando 3:00, a sequência de ação e a chegada do trem.

Meninos Não Choram

Boys Don’t Cry (1999)

Direção: Kimberly Pierce
Elenco: Hilary Swank, Chloë Sevigny, Peter Sarsgaard, Rob Campbell
Sinopse: A história de Teena Brandon, uma menina que se sente desconfortável no corpo em que vive e assume a identidade de Brandon Teena e tenta levar a vida o mais normal possível sem que descubram sua verdadeira identidade.

[Drama]

>>> Excelente. O filme usa e abusa da ótima atuação de Hilary Swank para contar uma história cruel e emocionante que levanta questões de inclusão social, até onde uma amizade pode existir, ódio e compaixão, e se isso não for suficiente para mexer com os sentimentos de qualquer um, o desfecho tenso e chocante surge para dar um soco no estômago do espectador e (por que não?) traumatizar quem assiste para abrir os olhos daqueles que não enxergam as besteiras que o ser humano faz sem propósito nenhum. Ponto para Kimberly Pierce por dirigir de uma forma tão claustrofóbica que a cena final fica na cabeça do espectador por muito mais tempo do que se esperava.

Filme: 8.5
Extras: Não Avaliados

{Curiosidades}
– Se preparando para o papel, Hilary Swank viveu como homem por um mês, usando faixas de tensão e colocando meias dentro das calças, e fez isso de forma tão convincente que os vizinhos dela acreditaram que o jovem indo e voltando da casa dela era seu irmão visitando.
– Baseado na vida de Brandon Teena.
– Todas as atrizes do filme (Chloë Sevigny, Alicia Goranson e Allison Folland) na verdade fizeram teste para o papel de Brandon.
– Katherine Moennig (a Shane, The L Word) fez teste para viver Brandon Teena.
– O título é uma musica da banda The Cure. Um cover da música é tocado ao fundo do filme em algumas cenas.

Paris, te Amo

Paris, Je T’aime (2006)

Direção: Gus Van Sant, Tom Tykwer, Daniela Thomas, Walter Salles, Alexander Payne, Richard LaGravenese, Gérard Depardieu, Alfonso Cuarón, Wes Craven, Joel Coen, Ethan Coen, Olivier Assayas
Elenco: Steve Buscemi, Catalina Sandino Moreno, Miranda Richardson, Juliette Binoche, Willem Dafoe, Nick Nolte, Maggie Gyllenhaal, Bob Hoskins, Olga Kurlyenko, Elijah Wood, Emily Mortimer, Alexander Payne, Natalie Portman, Gérard Depardieu, Gena Rowlands, Wes Craven
Sinopse: O filme é formado de várias historinhas que se passam em diferentes bairros e cidades que declaram o amor a Paris.

[Comédia/Drama/Suspense]

>>> Interessante um filme onde os diretores são colocados em primeiro lugar e seus estilos lado a lado para comparação e diferenciação. As esquetes são curtas, muito, muito criativas e inesquecíveis. Variam do drama à ficção, do inteligente ao nonsense e todas juntas formam um filme de duas horas que passa voando e faz as pessoas conhecerem um pouco o trabalho de mais de vinte diretores diferentes e, é claro, de um elenco incrivelmente competente que só torna os segmentos ainda mais inesquecíveis.

Filme: 9.0
Extras: Não Avaliados

{Curiosidade}
– O segmento “Parc Monceau” dirigido por Alfonso Cuaron foi gravado num unico plano sequencia.

O Diário de Uma Babá

The Nanny Diaries (2007)

Direção: Shari SpingerBerman e Robert Pulcini
Elenco: Scarlett Johansson, Laura Linney, Chris Evans, Paul Giammati, Alicia Keys
Sinopse: Uma garota recém-saída da faculdade não está interessada em encarar o mundo corporativo de uma vez, então decide fazer um gap year trabalhando de babá.

[Comédia]

>>> Muito divertido, o filme começa com bastante estilo, com com uma mãe sem nome (chamada de Mrs. X) e um Mr. X sem rosto, mas o estilo vai desaparecendo aos poucos para dar lugar a uma história bonitinha que só não perde o pique por causa dos talentos envolvidos, e se rende a clichês fáceis para chegar a um final surpreendentemente interessante. Vale a diversão com um quezinho de inteligência e ironia para passar o tempo.

Filme: 7.5
Extras: 6.0

{Curiosidades}
– O toque do celular de Annie é “Chim, Chim, Cheree”, uma música de Mary Poppins (1964) que é, é claro, sobre uma babá mágica.
– Os diretores escreveram o filme com Scarlett Johansson em mente para o papel principal.

« Older entries

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.